Núcleo Comunidade e Cultura

Coordenação Christine Nunes

Nosso Núcleo Comunidade e Cultura vem desenvolvendo o projeto “Livros no Tatame”, criado e executado pela psicanalista Christine Nunes, em duas comunidade da zona oeste do Rio de Janeiro com a proposta de um espaço para narrativas, para possibilitar às crianças e adolescentes da localidade de darem significados às experiências e a contarem suas próprias histórias, na tentativa de promover condições facilitadoras que incentivem as experiências na dimensão simbólica e favoreçam também uma adaptação criativa à vida.
Em 2015, foi criado o projeto chamado Rede Primeira Infância, sob coordenação da psicanalista Mariangela Relvas Pinto , que é voltado para o desenvolvimento de ações à atenção e promoção de saúde, por meio da prevenção e da intervenção precoce de sinais de sofrimento e risco para o desenvolvimento infantil. O Projeto acontece no ambiente de uma creche em que as crianças passam a maior parte de seu tempo.
Temos , ainda , nossas Rodas de Conversa , atividade aberta para promover encontros sobre temas diversos, abrindo as portas da SPRJ para à comunidade em geral .
Diante da pandemia , realizamos Rodas de Conversa como forma de acolhimento aos profissionais que estão no front de combate à Covid-19.

Projeto Livros no Tatame

O Projeto Livros no Tatame são encontros que acontecem com a participação espontânea de crianças e adolescentes, de 5 a 14 anos, para a leitura de pequenos de livros infantis, crônicas e fábulas, cuidadosamente selecionados.
         O principal objetivo é inserir e motivar a leitura na rotina deste público, acompanhada do olhar e da escuta psicanalíticos, em que toda leitura propicia uma roda de conversa com as crianças falam de suas vivências e sentimentos. É um encontro que se dá com crianças e adolescentes com suas histórias, aventuras e desventuras.
É um projeto independente, pode acontecer em qualquer lugar que possamos sentar num tatame e ler com o público infanto-juvenil.
O Projeto possibilita a escuta das demandas dos tempos atuais que torna a nossa psicanálise viva e criativa, com a estratégia comunitária de criar espaço de encontro que possa preencher de sentido, ao mesmo tempo em que esvazia para abrir novas possibilidades de produção de sentidos. Criado como possibilidade de um diferente dispositivo clínico que vem sendo pensado com um olhar para fora de nossas instituições e da classe social de seus membros, levando a dar-nos conta do sofrimento que se apresenta diante de nós.
A leitura tornou-se a chave para um encontro com muitas possibilidades. Todos ali têm histórias para contar, muito além daquelas que ouvimos sobre as comunidades do Rio de Janeiro. Ler para eles tornou-se ler com eles e uma possibilidade de levá-los ao potencial criativo de cada um.
O espaço potencial se expandiu e, eventualmente, os pais participam espontaneamente.

Em julho de 2020, a ONG SOS Providência solicitou atendimento psicológico para moradores da comunidade que presta assistência. Foi estruturado o Projeto SOS Providência e oferecido, naquele momento de crise, o atendimento por analistas da Sociedade, por 4 ou 5 sessões, num formato experimental e no modelo de atendimento emergencial. Estabeleceu-se um valor simbólico pelo atendimento, mas importante para o contrato terapêutico.
A proposta do Projeto, coordenado pela psicanalista Daniela Bormann, integrante do Núcleo Comunidade e Cultura, é de oferecer ajuda psicológica de orientação psicanalítica a pessoas em sofrimento e que não têm acesso a esse tipo de suporte, sendo uma importante contribuição da SPRJ ao social.
Na fase experimental, dez pessoas foram atendidas. O feedback recebido salientou a relevância que esses atendimentos tiveram na vida dessas pessoas e foi solicitada a continuidade do Projeto. Neste mês de março o Projeto foi reiniciado e já há alguns atendimentos em andamento e a expectativa de novos encaminhamentos.